Cronística medieval em Portugal: Fernão Lopes e o modelo de justiça régia

Rodrigo Barbosa Schiavinato

Resumo


O objetivo deste artigo consistiu nas análises das práticas judiciárias do rei português D. Pedro I (1357 – 1367) escritas pelo letrado e cronista oficial do reino de Portugal Fernão Lopes (1380? – 1459). Foi utilizada enquanto fonte prioritária a primeira obra da trilogia encomendada pela casa régia lusitana enquanto instrumento de legitimação dinástica da casa de Avis, a Crônica de D. Pedro I. Começamos este texto observando o contexto da produção destes escritos para procurar compreender os processos de construção do rei D. Pedro I e da História retratada pelo cronista sobre o seu reinado. Dois momentos foram obedecidos mediante um levantamento contextual voltado para as relações de poder, o do cronista e o do rei retratado, realidades distantes no tempo, mas permutadas no campo do discurso cronístico. Portanto, concluímos que a metodologia do trabalho seguiu preceitos característicos em relação às análises de fontes narrativas, como as condições de produção, percurso, conteúdo e recepção.


Referências


Fontes.

AYALA, Pero Lopez de. “Crónicas de los Reyes de Castilla: Don Pedro, Don Henrique II, Don Juan I y Don Henrique III”. In ROSELL, Don Cayetano. Crónicas de los Reyes de Castilla: desde Don Alfonso el Sabio hasta los Catolicos Don Fernando e Doña Isabel. Madrid, Tomo Primero, 1953.

LOPES, Fernão. Crônica de D. Pedro. Lisboa, Portugália Editora, 1967.

LOPES, Fernão. História de uma revolução: Primeira parte da Crônica de El-Rei D. João I de Boa Memória. Lisboa, Publicações Europa-América, 1977.

Bibliografia.

BERRIEL, Marcelo Santiago. “A Semiótica e suas possibilidades teórico-metodológicas na análise de fontes medievais narrativas”. In Revista Diálogos Mediterrânicos. Curitiba, junho/2014, n. 6, p. 13-28.

FERNANDES, Fátima Regina. “A construção da identidade monárquica portuguesa: dinâmicas de apoio e resistência”. In Signum. Belo Horizonte, Revista da ABREM, 2013, vol. 14, n. 2, p. 40-53.

FILHO, Flávio Ferreira Paes. A práxis político-administrativa nos textos legais dos monarcas portugueses (séculos XIII – XIV). Tese (Doutorado). Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2008.

FREITAS, Judite A. Gonçalves. “A História Política e a Periodização da História de Portugal: problemas, métodos e soluções”. In Revista de Teoria da História. Goiânia, Revista da Faculdade de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás, julho/2017, vol. 17, n. 1, p. 11-29.

HOMEM, Armando Luís de. “Os oficiais da justiça central régia nos finais da idade média portuguesa (ca. 1279-ca.1521)”. In Revista Territórios e Fronteiras. Cuiabá, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso, jan/jun 2008, v.1, n.1, p. 19-34.

MARTÍNEZ BARRERA, Jorge. A política em Aristóteles e Santo Tomás. Trad. Carlos Ancêde Nougué. Rio de Janeiro, Sétimo Selo, 2007.

MONTEIRO, João Gouveia. Fernão Lopes: texto e contexto. Coimbra, Ed. Minerva-história, 1988.

PIMENTA Cristina. D. Pedro I: Entre o reino e a recordação de Inês. Rio de Mouro, Círculo de Leitores, 2005.

REBELO, Luís de Souza. A concepção do poder em Fernão Lopes. Lisboa, Ed. Livros Horizonte, 1983.

SARAIVA, José Hermano. “Introdução à leitura de Fernão Lopes”. In História de uma revolução: Primeira parte da Crónica de El-Rei D. João I de Boa Memória. Lisboa, Publicações Europa-América, 1977.

SCHIAVINATO, Rodrigo Barbosa. D. Pedro I de Portugal: entre o discurso cronístico e a voz das Cortes. Dissertação (Mestrado). Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, 2011.

SCHIAVINATO, Rodrigo Barbosa. “Embates entre o poder eclesiástico e o poder secular no pensamento político da baixa idade média em contexto de afirmação das monarquias cristãs”. In Revista Sociais e Humanas. Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Federal de Santa Maria, jul/dez 2010, vol. 23, n. 2, p. 19-28.

SOUZA, José Antônio e BARBOSA, João Morais. O Reino de Deus e o Reino dos Homens: As relações entre os poderes espiritual e temporal na Baixa Idade Média (da Reforma Gregoriana a João Quidort). Porto Alegre, Edipuc, 1997.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


by

Revista Diálogos Mediterrânicos
Periodicidade Semestral
Curitiba - Paraná - Brasil
ISSN 2237-6585