As transformações na sociedade política e nas monarquias medievais e seus efeitos na mobilidade de facções nobiliárquicas entre Portugal e Castela

Autores

  • Fátima Regina Fernandes Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.24858/109

Palavras-chave:

Exílios tardomedievais, Regeneração nobiliárquica tardomedieval, Monarquia tardo medieval portuguesa.

Resumo

Este estudo propõe-se analisar as relações políticas na sociedade ibérica medieval no nível das elites definidas a partir das vinculações de natureza linhagística e vassálica, uma rede sócio-política cuja estrutura é constituinte da sociedade política medieval. Esta teia de acordos e vínculos interpessoais interferia e por vezes mesmo definia as políticas régias e marcava um perfil de ação nobre marcado pela extraterritorialidad de que nos fala Salvador de Moxó, principalmente nos vários contextos de guerra que se desenrolam na Península Ibérica tardo-medieval, palco de nossos estudos.  A crise dinástica de Borgonha e ascensão de Avis em Portugal são vistos pela historiografia como um momento-chave de recomposição destas estruturas tanto em Portugal como em Castela, no entanto, preconiza-se a ampliação desta análise a outros vetores geo-políticos que envolvam a participação portuguesa na Guerra dos Cem Anos, assim como a importância dos processos de regeneração nobiliárquica e centralização régia nestas movimentações. Elementos que ampliam a tradicional abordagem limitada ao eixo Avis/Trastâmara e buscam promover uma problematização mais estrutural dos exílios que permeiam este cenário a fim de extrair-se um perfil deste movimento, além das verdadeiras motivações de ida e retorno destes nobres entre os reinos. Assim, a mobilidade destes grupos caracteriza em boa parte este contexto de crise e transformação, além de promover uma verdadeira atualização dos perfis de atuação nobiliárquicos do grupo em si e frente à monarquia nestes séculos finais da medievalidade.

Biografia do Autor

Fátima Regina Fernandes, Universidade Federal do Paraná

Doutora em História Medieval pela Universidade do Porto ( Portugal); Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Graduada em História pela Universidade do Porto ( Portugal).

Referências

FONTES:

AFONSO X, Fuero Real del Rey Don Alonso el Sabio, Madrid: Editorial Lex Nova, Valladolid, 1979.

AFONSO X, Leyes de Alfonso X. I. Espéculo, edición y análisis crítico por Gonzalo MARTÌNEZ DÌEZ, Fundación Sánchez Albornoz, Avila, 1985.

AFONSO X, Las Siete Partidas del Rey Don Alfonso el Sabio, Madrid: Lex Nova, 1989.

AN/TT (Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo), Chancelaria de D. Fernando.

AN/TT (Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo), Chancelaria de D. João I.

AN/TT (Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo), Coleções de Aclamações e Cortes. (D. João I).

A versão portuguesa de las Flores de las Leyes, Manuel Paulo Mêrea, Coimbra: Imp. da Universidade, 1918.

Chartularium Universitatis Portugalensis (1288-1537), coligido por A. Moreira de SÁ, vol. I (1288-1377), Lisboa: Instituto de Alta Cultura, Centro de Estudos de Psicologia e de História da Filosofia anexo à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1966 e vol. II (1377-1408), 1968.

Chronica do Condestabre de Portugal Dom Nuno Alvarez Pereira, ed. Mendes dos REMÉDIOS, Coimbra, 1911.

Cortes Portuguesas. Reinado de D. Fernando I (1367-1383), ed.A. H. de Oliveira MARQUES e Nuno José Pizarro Pinto DIAS, Lisboa: Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa -INIC/ JNICT,1990-3, 2 vols.

Crónica del Rey Don Juan, primero de Castilla e de Leon, Madrid, Biblioteca de Autores Españoles, Ediciones Atlas, 1953.

Crónicas dos Sete Primeiros Reis de Portugal, ed. Crítica de Carlos da Silva TAROUCA, Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1952, v.I, p. XXVIII).

Livro das Leis e Posturas (1249-1393), ed. Nuno J. Espinosa Gomes SILVA e M. Teresa Campos RODRIGUES, Lisboa: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, 1971.

LOPES, Fernão, Crónica de D. Pedro I, ed. D. PERES, Porto: Civilização. 1965,

Id , Crónica de D. Fernando, ed. Salvador Dias ARNAUT, Porto: Civilização, 1966.

Id, Crónica de D. João I, lª p., introd. Humberto Baquero MORENO e prefácio de

António SÉRGIO, Barcelos-Porto: Civilização, 1991.

Id, Crónica de D. João I, 2ªp, ed. M. Lopes de ALMEIDA e A. de Magalhães BASTO, Barcelos-Porto: Civilização, 1990.

LOPEZ de AYALA, Pero, Crónica del Rey Don Pedro y del Rey Don Henrique, su hermano, hijos del rey don Alfonso Onceno, ed. De German ORDUNA, Buenos Aires: SECRIT, 1994, 2 vols.

Memórias para a História das Inquirições dos Primeiros Reinados de Portugal, Lisboa: Impressão Régia, 1815.

Ordenações Afonsinas, ed. Mário J.de A.COSTA e Eduardo Borges NUNES, 2ª ed., Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian,1998, 5 vols.

PAIS, Frei Álvaro, Espelho dos Reis, Ed. Miguel Pinto de Menezes, Lisboa: Instituto de Alta Cultura – Centro de Estudos de Psicologia e de História da Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1955, 2 vols.

Portugaliae Monumenta Historica a saeculo octavo post Christum usque ad quintumdecimum..., ed. Alexandre HERCULANO, Lisboa: Real Academia das Ciências de Lisboa, 1856-1897.

SANTOS, Frei Manoel dos, Monarquia Lusitana, ed. A. da Silva REGO, A. Dias FARINHA e Eduardo dos SANTOS, 3 ª ed., Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 1988, t. VIII.

VITERBO, Fr. J. de Santa Rosa de, Elucidário das Palavras, Termos e Frases que em Portugal antigamente se Usaram e que Hoje regularmente se Ignoram, ed. Mário FIÚZA, Porto: Civilização, 1962-65, 2 v.

Downloads

Publicado

16/12/2014

Como Citar

Fernandes, F. R. (2014). As transformações na sociedade política e nas monarquias medievais e seus efeitos na mobilidade de facções nobiliárquicas entre Portugal e Castela. Revista Diálogos Mediterrânicos, (7), 104–126. https://doi.org/10.24858/109