Ideologia da guerra ou ideologia dos guerreiros? Mais algumas interpretações do relato da batalha do Salado (1340) no Livro de Linhagens do Conde Dom Pedro

Autores

  • Stéphane Boissellier Université de Poitiers

DOI:

https://doi.org/10.24858/138

Resumo

O texto que vou analisar é apenas um dos diversos monumentos destinados a celebrar e recordar a batalha do Salado, ganha pelos exércitos castelhano e português contra o sultão merinida do Marrocos, Abû l-Hassan, e o rei nasrida de Granada, Yusuf. Este texto é conservado, levemente mutilado, enquanto inserção na grande compilação genealógica dita “Livro de linhagens do Conde D. Pedro”; foi inserido na segunda refundição, cerca de 1380-1383, e parece ter sido redigido de propósito. O seu papel, portanto, é a glorificação da linhagem dos Pereira, através de Álvaro Gonçalves, prior da Ordem do Hospital em Portugal; isso implica que a narrativa da batalha não seja um objetivo em si, mas antes um pretexto a uma escrita épica. A minha análise restringir-se-á à atitude nobiliárquica para com a guerra, entre proeza pagã e cumprimento da vontade divina.

Downloads

Publicado

16/12/2014

Como Citar

Boissellier, S. (2014). Ideologia da guerra ou ideologia dos guerreiros? Mais algumas interpretações do relato da batalha do Salado (1340) no Livro de Linhagens do Conde Dom Pedro. Revista Diálogos Mediterrânicos, (7), 84–103. https://doi.org/10.24858/138