Encontros no cativeiro entre o Mediterrâneo e o Oceano Índico (sécs. XIII-XVII)

Autores

  • Andréa Doré Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.24858/159

Palavras-chave:

Cativeiro, Viajantes na Ásia, Império Português

Resumo

A circulação de indivíduos no período moderno deu-se, em várias ocasiões, de forma involuntária. Homens e mulheres foram desprovidos de liberdade, encontraram-se nas galés dos navios, nos recrutamentos forçados, na construção de muralhas, nos cárceres do Santo Ofício, em prisões comuns. Este artigo visa analisar como o cativeiro permitiu a aproximação de indivíduos, a troca de informações e a experiência da alteridade e motivou, assim, a elaboração de relatos tendo como tema o Oceano Índico e suas margens. As trajetórias de Marco Polo ao retornar à Europa, ainda no século XIII, do soldado português Francisco Rodrigues Silveira, preso na cidade do Porto depois de servir nas praças da Ásia, e do médico francês Charles Dellon, condenado pela Inquisição de Goa, ambos no início do século XVII, indicam não só a circulação de homens e de informações, como a possibilidade de considerar que as representações que passaram a dar significado a espaços desconhecidos dos europeus tiveram origem nas margens da sociedade e dos impérios.

Biografia do Autor

Andréa Doré, Universidade Federal do Paraná

Professora do Departamento de História da UFPR

Downloads

Publicado

19/08/2015

Como Citar

Doré, A. (2015). Encontros no cativeiro entre o Mediterrâneo e o Oceano Índico (sécs. XIII-XVII). Revista Diálogos Mediterrânicos, (8), 305–319. https://doi.org/10.24858/159