A Voz de Bilita

Autores

  • Raul Antelo Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.24858/190

Palavras-chave:

Pasolini, Paixão, Biopolítica, Vida

Resumo

A partir das propostas de leitura de Alain Badiou para o poema “As cinzas de Gramsci”, de Pier Paolo Pasolini, o presente ensaio apresenta como a compreensão de política de Pasolini estava relacionada a uma paixão pela vida. Nesse sentido, aponta para a tentativa pasoliniana de uma leitura da história para além da formalização (em Pasolini, mas, também, em Badiou, Debord e Godard). Desse modo, o pensamento de Pasolini se coloca fora do eixo centralizador da modernidade europeia e, por assim dizer, desta faz paródia – uma paródia biopolítica do poder. Por fim, expõe como Pasolini, diante da devastação da pessoa que se consolida pari passu desde os fascismos históricos, não apela a um pathos moralizante ou identificatório como modo de obtenção de comiseração do leitor, mas insiste na fragilidade da vida para além de qualquer redenção, de todo impossível. Em outras palavras: trata-se da vida como uma iniciação à própria vida, sem mistério a ser desvelado e, portanto, a definir para ela, a vida, um sentido.

Downloads

Publicado

08/01/2016

Como Citar

Antelo, R. (2016). A Voz de Bilita. Revista Diálogos Mediterrânicos, (9), 35–43. https://doi.org/10.24858/190

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.