Quem paga a conta? Questões de família segundo Fialho de Almeida e Maria Amália Vaz de Carvalho

Autores

  • Elisabeth Fernandes Martini Polo de Pesquisa do Real Gabinete Português de Leitura/PPLB

DOI:

https://doi.org/10.24858/215

Palavras-chave:

Literatura Portuguesa, oitocentos

Resumo

O século XIX vê alçar-se a burguesia a um patamar hegemônico, na sociedade europeia. No seu rastro, torna-se evidente a remodelação do espaço privado, passando a família a repositório moral da nação.  No entanto, nas décadas finais dos oitocentos e, em meio às tentativas goradas de regenerar a nação portuguesa, a intelligentsia acusa a lenta degradação da família, a qual deve, segundo os pressupostos positivistas, apresentar-se impoluta para o gáudio da sociedade como um todo.  Percebe-se o adultério como um germe insidioso a corromper os projetos unifamiliares e, por conseguinte, a combalir os intentos nacionais.  Nesse sentido, cumpre voltar o olhar para as representações dos núcleos familiares e as corrupções decorrentes nos contos “Roberto” (Lisboa Galante, 1890) e “A morte de Berta” (Contos e Fantasias, 1880), de José Valentim Fialho de Almeida (1857-1911) e Maria Amália Vaz de Carvalho (1847-1921), respectivamente.  E vislumbrar, em meio a saldos e balanços, a quem endereçar as contas a pagar.

Palavras-chave: família, gênero, século XIX.

Biografia do Autor

Elisabeth Fernandes Martini, Polo de Pesquisa do Real Gabinete Português de Leitura/PPLB

Professora da Rede Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro, recentemente concluiu o doutoramento em Literatura Comparada, defendendo a tese Entre quatro paredes: a família portuguesa na narrativa de ficção do fim do século XIX

Referências

ALMEIDA, José Valentim Fialho de. Lisboa Galante. Porto: Livraria Civilização, 1890. Acessível em: https://archive.org/details/lisboagalanteep00alme Último acesso: 20/06/2016.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

BRANCO, Camilo Castelo. O Condenado (Frag.) In: REBELLO, Luiz Francisco. O Teatro de Camilo. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa/ Biblioteca Breve/ volume 120, 1991.

CARDOSO, Nuno Catharino. Poetisas Portuguesas: Antologia contendo dados bibliográficos e biográficos acerca de cento e seis poetisas. Lisboa: Edição e propriedade do autor, 1917.

CARVALHO, Maria Amália Vaz de. Contos e Fantasias. Lisboa: Esfera do Caos, 2007.

FIGUEIREDO, Catharina Máxima de. “Desterrado” in: Novo Almanach Luso-Brasileiro de Lembranças Luso-brazileiro para o Anno de 1877. Lisboa: Lallement Frères Typ. 1876.

LEITÃO, Manuel Duarte; VASCONCELOS, José Máximo de Castro Neto Leite e; MOTTA, José Maria da Costa Silveira da. (Orgs.) Código Penal Aprovado por Decreto de 10 de Dezembro de 1852. Lisboa: Imprensa Nacional, 1855.

MORETTI, Franco. O burguês: entre a história e a literatura. Tradução de Alexandre Morales. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

PAÚL, Gaspar Loureiro D’Almeida Cardoso (Anot.). Código Civil Português Aprovado por Carta de lei de 1º de Julho de 1867. Porto: Livraria internacional, 1870.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2005.

REBELLO, Luiz Francisco. O Teatro de Camilo. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa/ Biblioteca Breve/ volume 120, 1991.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mão de Alice: O social e o político na pós-modernidade. Porto: Afrontamento, 1994.

TRIBUNAL do 2º Distrito Criminal de Lisboa. Processo e julgamento de José Cardoso Vieira de Castro pela acusação de homicídio voluntário na pessoa de sua mulher D. Claudina Adelaide Guimarães Vieira de Castro. Lisboa: Imprensa Nacional, 1870. Acessível em: https://ia601408.us.archive.org/9/items/processoejulgame00castuoft/processoejulgame00castuoft.pdf Último acesso: 10/07/2016.

VALENTE, Vasco Pulido. Glória: biografia de J. C. Vieira de Castro. Lisboa: Gótica, 2009.

Downloads

Publicado

06/12/2016

Como Citar

Martini, E. F. (2016). Quem paga a conta? Questões de família segundo Fialho de Almeida e Maria Amália Vaz de Carvalho. Revista Diálogos Mediterrânicos, (11), 116–130. https://doi.org/10.24858/215