“Uma Consequência de Estar Mal Disposto”: A polissemia da metafísica em 'A Máquina de Fazer Espanhóis'

Autores

  • Marcelo Franz UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.24858/220

Palavras-chave:

Literatura Portuguesa

Resumo

Analisa-se neste estudo o diálogo do romance A Máquina de Fazer Espanhóis (2012), de Valter Hugo Mãe, com o poema Tabacaria, do heterônimo pessoano Álvaro de Campo, nome de destaque no contexto de Orpheu. Trata-se de um interessante caso de intertextualidade ancorado, nos termos de Tiphaine Samoyault, no conceito de memória da literatura, entendida como atitude de ressignificação dos textos do passado pelos do presente.  Imbuído de um intento de revisão do poema, o romance de Mãe propõe, por meio do personagem Esteves (o “sem metafísica”) e de sua interação com outros internos do asilo “Feliz Idade” um debate sobre a identidade cultural portuguesa e os desastres da história do país no século XX, nomeadamente a permanência do legado do Salazarismo na mentalidade média do povo português até a contemporaneidade. Pretende-se debater a polissemia do conceito de metafísica a no modo como o livro de Mãe o retoma a partir da sugestão de Tabacaria

Biografia do Autor

Marcelo Franz, UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Marcelo Franz formou-se em Letras com habilitação em Português e Francês em 1994, pela UFPR, mesma instituição onde fez o mestrado em Literatura Brasileira, defendendo, em 1997, a dissertação Investigação do Pesadelo, Uma Leitura em Torno da Crônica da Casa Assassinada. É doutor em Literatura Portuguesa pela USP, onde defendeu em 2002 a tese A Inquietude da Memória - O Significado do Lembrar em Romances de Vergílio Ferreira. Esse estudo resultou no livro com o mesmo título, publicado em 2006 pela Editora Cidade Futura de Florianópolis – SC. Entre 2011 e 2013 realizou na USP estudos de Pós-Doutorado em Teoria Literária no DTLLC da FFLCH trabalhando o tema "Do Lido ao Vivido - O significado da Leitura na Ficção Memorialística" . É professor da UTFPR (Universidade Federal Tecnológica do Paraná), onde atua ministrando conteúdos nas áreas de Literatura Brasileira, Literatura Portuguesa, Teoria da Literatura e Comunicação oral e escrita. Entre 1999 e 2015 trabalhou nos Cursos da Área de Letras da PUCPR. Nesse período, além de professor, foi membro do Conselho Acadêmico da PUCPR. Como pesquisador de estudos literários, é ligado aos grupos de pesquisa (Des)caminhos da modernidade ao contemporâneo: estudos em literatura e outras linguagens .Tem tido participação (com trabalhos apresentados) em encontros, congressos e seminários estaduais, nacionais e internacionais.

Referências

KRISTEVA, Julia Apud SAMOYAULT, Tiphaine. A Intertextualidade. Trad. Sandra Nitrini. São Paulo: 2008. p. 15.

SAMOYAULT, Tiphaine. A Intertextualidade. Trad. Sandra Nitrini. São Paulo: 2008.

MÃE, Valter Hugo. A Máquina de Fazer Espanhóis. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BATISTA, Abel Barros in MARTINS, Fernando Cabral (Org.), Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português.Lisboa: Editorial Caminho, 2008, p. 835

PESSOA. Fernando. PESSOA, F. Poesia completa de Álvaro de Campos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 52.

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução Alfredo Bosi. – 4ª. ed. - São Paulo : Martins Fontes, 2000. p. 660

CID, Gabriel. Fernando Pessoa e o Drama Do Pensamento: Heteronímia e Retoricidade. http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num5/dossie/26_Palimpsesto05_dossie07.pdf [consultado em 27-08-2016]

PESSOA, Fernando. Obra em Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005. p. 564

MACHADO, A. Entrevista no Programa Começando o Dia, CMais, de 12-07-2011, retirado de http://culturafm.cmais.com.br/comecando/1207-valter-hugo-mae [consultado em 29-05-2012]

Downloads

Publicado

06/12/2016

Como Citar

Franz, M. (2016). “Uma Consequência de Estar Mal Disposto”: A polissemia da metafísica em ’A Máquina de Fazer Espanhóis’. Revista Diálogos Mediterrânicos, (11), 78–90. https://doi.org/10.24858/220