Inoperosidades: Giorgio Agamben, Antonio Delfini e Giorgio Caproni

Autores

  • Patricia Peterle

DOI:

https://doi.org/10.24858/314

Palavras-chave:

literatura, inoperosidade, "ethos", linguagem.

Resumo

A literatura é um espaço de inoperosidades, da potência e da potência-de-não, pois desativa as funções mais pragmáticas e comunicativas da língua. Essa suspensão a abre para um novo uso e é, nesse sentido, que a literatura é a exibição da potência de dizer, um espaço de trabalho sobre si, que é também resistência e transformação, e, portanto, um espaço do éthos e do político. A literatura é percebida aqui como uma operação na e com a linguagem, que desativa a própria linguagem e deixa inoperantes as funções comunicativas e/ou informativas. É nessa esteira que Giorgio Agamben elege e trabalha na (re)leitura de textos da literatura italiana, como os de Antonio Delfini, Giorgio Caproni.

Downloads

Publicado

08/08/2018

Como Citar

Peterle, P. (2018). Inoperosidades: Giorgio Agamben, Antonio Delfini e Giorgio Caproni. Revista Diálogos Mediterrânicos, (14), 75–93. https://doi.org/10.24858/314