O estabelecimento do culto híbrido ao deus Serápis na Alexandria Ptolomaica: conjuntura, motivações e debates.

Autores

  • Joana Campos Clímaco Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.24858/380

Palavras-chave:

Alexandria, Ptolomeus, Serápis.

Resumo

A conquista de territórios do Mediterrâneo Oriental pela Macedônia e a fundação de Alexandria no litoral egípcio no séc. IV a.C., bem como a posterior transformação do Egito em província romana três séculos depois intensificaram as mais diversas formas de intercâmbios culturais na região do Nilo. Um exemplo notável do fortalecimento desse processo de integração se refere a popularização de tradições religiosas egípcias antigas e suas ressignificações e dispersão por todo o mundo helenístico-romano. O culto ao deus híbrido greco-egípcio Serápis ao lado da deusa egípcia Ísis (antiga consorte de Osíris) e sua crescente difusão pelo ecúmero é uma chave importante para analisar fenômenos de sincretismos num contexto em que aspectos antes vistos como “nativos” e étnicos ganharam um estatuto global e cosmopolita. Serápis é normalmente explicado na historiografia como uma “invenção”, que visava fundir tradições gregas e egípcias num mesmo culto. Contudo, há diversas nuances da atmosfera político-religiosa no surgimento desse culto que enfraquecem a ideia de invenção e podem ter ajudado a impulsionar a nova crença.  A deidade acabou se revelando conveniente para a legitimação da nova monarquia macedônica em território nilótico, que não pretendia apagar as antigas tradições faraônicas. Nesse sentido, a intenção desse artigo é discutir o ambiente e as prováveis motivações de Ptolomeu I Sóter para alavancar uma religião híbrida e inovadora em Alexandria.

Biografia do Autor

Joana Campos Clímaco, Universidade Federal do Amazonas

Professora de História Antiga no Departamento de História da Universidade Federal do Amazonas. Realizou o mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo, sob a supervisão do Prof. Dr. Norberto Luiz Guarinello. É membro do LEIR-MA/USP. Atualmente desenvolve um projeto de pesquisa intitulado “A Alexandria Greco-romana: multiculturalismo, mobilidade e divulgação” com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (FAPEAM- PPP Edital. 004/2017).

Referências

GREEN, Peter. “Alexander’s Alexandria” In: GREENBERG, Mark; HAMMA, Kenneth; GILMAN, Benedicte e MOORE, Nancy (Eds.). Alexandria and Alexandrinism. Malibu, California: The J. Paul Getty Museum, 1996.

LEFÈVRE, François. História do mundo grego antigo. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

GRIMAL, Nicolas. História do Egito Antigo. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

HUSSON, Geneviève & VALBELLE Dominique. L'Etat et les institutions en Egypte: Des premiers pharaons aux empereurs romains. Paris: Armand Colin, 1992.

GUARINELLO, Norberto Luiz. História Antiga. São Paulo: Editora Contexto, 2013.

ELLIS, W. M. Ptolemy of Egypt. London-New York: Routledge, 1994.

DAVID, Rosalie. Religião e Magia no Antigo Egito. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

CARDOSO, Ciro Flamarion. O Egito Antigo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

EL-ABBADI, Mostafa. “Alexandria: Capital of Egypt” In: STEEN, Gareth L. Steen (Ed.). Alexandria: The Site and the History. New York/ London, New York University Press, 1993.

CHAUVEAU, Michel. Egypt in the Age of Cleopatra. New York: Cornell University Press, 2000.

ABULAFIA, David. O Grande Mar: Uma História Humana do Mediterrâneo. São Paulo: Objetiva, 2013.

RIAD, Henri. “Egyptian Daily Influence on Daily Life in Ancient Alexandria” in: Gareth L. Steen ed., Alexandria: The Site and the History. New York/ London, New York University Press, 1993.

CLIMACO, Joana Campos. A construção da Alexandria Ptolomaica na historiografia contemporânea. Mare Nostrum, 2010, v. 1, p. 27-36.

CLIMACO, Joana Campos. “Impactos da romanização em Alexandria”. História Revista, 2009, v. 14, n. 1, p. 261-290.

MILNE, Grafton. A History of Egypt under Roman Rule. London: Methuen & Co., 1924.

Downloads

Publicado

16/09/2020

Como Citar

Clímaco, J. C. (2020). O estabelecimento do culto híbrido ao deus Serápis na Alexandria Ptolomaica: conjuntura, motivações e debates. Revista Diálogos Mediterrânicos, (18), 4–23. https://doi.org/10.24858/380