O complô para o sequestro do rei e a construção narrativa de Jacques de Armagnac como o perfeito traidor. C.1465-C.1477.

Autores

  • Fabiano Fernandes

Resumo

Temos como hipótese central nesse texto, discordando de Alain Boureau, que o rei encarnava, em certas situações, a sacralidade do corpo do reino, ainda que a ideia dos dois corpos do rei de Ernest Kantorowicz não possa ser aplicada automaticamente a todos os contextos e situações envolvendo a persona real. Na teatralização do poder vigente, em um processo de lesa-majestade, o rei estava relacionado a uma esfera conceitual, que transcendia a mera evanescência de uma vida humana, a despeito de ter sido constantemente ameaçado pela poliarquia principesca de 1465 até o final de seu reinado, em 1483. O perigo de aprisionamento e/ou assassinato do rei, enfatizado no processo, foi uma das principais estratégias de criminalização dos atos do duque de Nemours e de desconstrução de sua imagem de bom e fiel súdito/vassalo. A suposta iniciativa de conspirar, para aprisionar e/ou assassinar o rei, era considerada um atentado à soberania do rei cristianíssimo, passível de duras penas, sendo quase uma atrocidade, algo desmedido, que violava a paz do reino.  Em larga medida, a ameaça física ao rei, ao ser evidenciada, era um grave crime, que lesava a majestade real, e deveria ser cabalmente punida.

Biografia do Autor

Fabiano Fernandes

Professor de História Medieval na UNIFESP, campus Guarulhos.

Doutor em História pela UFRJ.

Downloads

Publicado

11/10/2021

Como Citar

Fernandes, F. (2021). O complô para o sequestro do rei e a construção narrativa de Jacques de Armagnac como o perfeito traidor. C.1465-C.1477. Revista Diálogos Mediterrânicos, (20), 67–87. Recuperado de https://www.dialogosmediterranicos.com.br/index.php/RevistaDM/article/view/420